As piores combinações do Glee


Entrando no hall dos principais erros da série, Glee sempre foi conhecida pela não regularidade do seu roteiro. E uma consequência direta desse fato é a rotatividade de casais que surgem e se desmancham de forma abrupta e nada natural. Embora por vezes sejamos presenteados com combinações que nos empolgam, por outras presenciamos junções completamente absurdas e inconsistentes e que por vezes chegam a ser desenvolvidas de forma insistente, mesmo quando o público não aprova a união.  A seguir estão listadas as principais combinações com essas características, apresentadas ao longo desses cinco anos.



7. ARTIE E BETTY

Figura constante dos corredores do  Mckinley, a verdade é que Artie nunca teve muitos plots para chamar de seu. Trazer um par romântico para o personagem parecia uma excelente alternativa de mudar isso, porém os roteiristas resolveram chamar umas das vozes mais irritantes da segunda temporada do The Glee Project , a cadeirante Ali. A combinação passou uma imagem de que deficientes não tem muita alternativa além de namorar entre si e como resultado, Betty nunca mais apareceu na trama. 



6. SANTANA E SAM

Extraído de: http://vic-rph.tumblr.com/
O namoro de Santana e Sam começou e terminou da forma mais aleatória possível, tendo ocorrido na metade da segunda temporada. Tudo estava ótimo enquanto o loiro namorava Quinn, até que os roteiristas decidiram fazer Finn cair de amores pela ex-namorada que tinha o traído, e como resultado Sam foi jogado de forma instantânea nos braços da mexicana. O namoro deles soou tão estranho que três episódios depois eles terminaram, Sam ficou o resto da temporada avulso e sumiu da trama no inicio do ano seguinte.


5. SCHUE E BEISTE


Na primeira vez que essa combinação aconteceu, a trama estabeleceu limites e acabou sendo o ponto de partida de uma das amizades mais fortes entre o núcleo adulto. Não satisfeitos em deixar as coisas como estavam, a segunda investida amorosa entre os dois aconteceu no final da quarta temporada, da forma mais absurda possível com Beiste dando em cima do ex-quase marido de sua melhor amiga, fazendo a treinadora (que sempre foi uma excelente personagem) parecer desesperada.


4. KURT E BRITTANY

Extraído de: http://gleereactiongifs.tumblr.com/
A pegação entre Kurt e Brittany aconteceu no final da segunda temporada, quando em meio a uma crise de ciúmes pela atenção do pai, Kurt decide mostrar toda sua masculinidade se vestindo de cowboy e pegando a líder de torcida. Como se não bastasse, o plot ainda rendeu um terrível solo de Kurt.

3. EMMA E FINN

Extraído de: http://rebloggy.com/

Embora a aproximação de Emma e Finn tenha sido curtíssima, a dupla conseguiu protagonizar uma das cenas mais bizarras da história da série. Pois, qual  foi a reação do público ao assistir o beijo entre os personagens? Embora o fato tenha sido surreal, trouxe como consequência positiva uma batalha de boy bands representadas por Schue e Finn, no décimo sexto episódio da quarta temporada.

2. TINA E BLAINE




Tudo estava bem quando de repente, todo mundo gosta de todo mundo, mas não de quem gostava antes. O retorno da metade da quarta temporada traz o inimaginável interesse romântico de Tina pelo seu amigo declaradamente gay e que por sua vez estava apaixonado por outro amigo declaradamente hétero. O auge do absurdo é o momento em que a asiática sobe sobre o amigo e massageia o peito deste, enquanto ele dorme. A cena teria caminhado para um completo desastre se Jenna Ushkowitz não tivesse segurado tão bem sua atuação e transformado o momento em algo dramático e de certa forma triste.


1.  SAMCEDES




Campeão absoluto de pior combinação possível, Sam e Mercedes nunca apresentaram química alguma em tela e muito menos uma boa combinação em duetos que justificasse a parceria. O casal surgiu nos últimos minutos da segunda temporada, ganhou força na terceira e com o público claramente desaprovando a união, o shipper se quer foi mencionado na quarta temporada. Porém, como se não bastasse, a dupla retorna em uma jornada amorosa rumo ao celibado no massacrante final de quinta temporada. A prova de que pior que errar é persistir no erro.